Ao ser vaiado impiedosamente pelo público em um shopping aqui de Brasília por ocasião do aniversário do empreendimento, Rollemberg sentiu na cara aquilo que seus defensores tentam dourar: seu governo se encaminha para ser o mais nefasto da história de Brasília – superando todos os seus antecessores.

O que me soa patético e doentio é observar que as pessoas tentam reanimar um cadáver já putrefato, como se buscassem sinais vitais onde só o que emana é o cheiro de podre. Pesa contra Rollemberg não apenas sua decrépita figura, mas o equívoco e ações que apenas servem para ilustrar sua total inaptidão para o cargo para o qual chegou sob o guarda-chuva de um mantra e de onde sairá como o retrato mais acabado da incompetência. O mandato no Buriti desvendou aquilo que muitos já sabiam…

Irá se arrastar nos últimos meses de mandato, contando com um séquito de bajuladores a lhe dizerem que ele não é tudo isso que ele próprio deve ter consciência de ser. Sempre haverá alguém a lhe mostrar números de pesquisas – e aqui vale lembrar que o verdadeiro papel de uma pesquisa é ela revelar aquilo para o qual foi contratada.

Li, não sei quando e nem onde, que pesquisas podem ser forjadas para provar qualquer coisa – até mesmo a verdade e que o verdadeiro papel do estatístico, que é, em síntese, quem tabula os resultados de pesquisas, é torturar os números até que eles confessem. Como sou daqueles que vivem no mundo real, que usam transporte coletivo, que conversam com pessoas de diferentes grupos sociais, culturais, esportivos, religiosos e esportivos, posso dizer que as vozes do mundo real não chegam aos ouvidos moucos do governador e de seus asseclas e puxa-sacos.

Porque se tivessem ao menos um pouco de respeito pelo cidadão Rodrigo Rollemberg não o submeteriam ao opróbrio, ao vexame e a ser achincalhado publicamente – e nem permitiriam que ele se deixasse fotografar consumindo bebida alcoólica, logo ele que já tem a voz embaralhada como se estivesse o tempo todo entre uma ressaca e outra.

Fico imaginando o que será de patético este final de mandato…