Além de três ou quatro feiras regionais, o turismo brasileiro tem duas vitrines: a WTM Latin America que acontece no 1º semestre – e a edição de 2018 será de 3 a 5 de abril em São Paulo – e a Feira da Abav, o mais tradicional e ainda representativo evento do turismo nacional que em 2017 teve a sua 45ª edição.

A Feira da Abav, por sinal, que ressurgiu tal qual uma fenix – porque muitos acreditavam que esta seria uma de suas últimas edições. Muito pelo contrário: a feira se mostrou revigorada, atraente e com muita, muita gente e muitos expositores. Resta saber se a Abav terá como absorver o impacto da saída de Edmar Bull que teve competência e ousadia de “reinventar” a Feira e a própria entidade, dando as duas uma dimensão que haviam perdido depois de administrações chochas.

Pois foi neste cenário privilegiado, tendo um stand fornecido pelo Ministério do Turismo que o GDF, sob o comando de Rollemberg, governador que não passa de “biruta de aeroporto”, mostrou todo o abandono do setor.

O stand do DF sempre esteve entregue às moscas, sem NENHUM material da cidade – e a exceção eram folders de redes hoteleiras. Enquanto estados como o Acre mantinham funcionários e material, o espaço de Brasília estava lá – vazio e ridiculamente abandonado. Nunca custa lembrar que o governador foi secretário de turismo e em seu governo relegou a pasta a uma sub-sub-sub secretaria.

É um caso a ser averiguado: O GDF que gasta muitos milhões para tentar convencer os moradores do DF que o Rollemberg não é esta anta que todos sabem que ele é, não desenvolve nenhuma campanha de mídia para divulgar a cidade. Em mil dias de absoluta inutilidade, Rollemberg dilapidou milhões em publicidade e nada para convidar os brasileiros a conhecerem a capital da República.

Deve-se esta reinvenção da pólvora a uma meia dúzia de vetustas e inúteis personalidades que se esmeram em justificar anúncios em revistas sociais, em sites de presidiários e nada de divulgar Brasília.

O resultado mais do que óbvio está no stand vazio e na ausência de material.

Resta, enfim, a contagem regressiva para saber quantos dias ainda faltam para mandar Rollemberg de volta para o Senado – como funcionário, pela janela, porque afinal de contas, foi desta maneira que ele virou funcionário e agora vai virar ex-governador.

Para completar…

A situação do “turismo” do GDF foi tão ridícula na Feira da Abav que nem mesmo Jaime Recena, o sub-sub-sub de alguma coisa e Turismo esteve presente ao evento. Esta realidade mostra a que ponto chegou a falta de gestão, de compromisso e de compreensão da realidade por parte de alguém que, a bem da verdade, está fazendo exatamente aquilo que todo mundo sabia que faria: nada.

* E as fotos?

Por razões que desconheço, não consigo implantar aqui no blog as fotos feitas na Feira da Abav. Elas, no entanto, podem ser vistas no www.facebook.com/leituradebordo e no instagram @leituradebordomagazine

===

NOTA DE ESCLARECIMENTO

 

Recebo do Sandro Bernardo da Cunha Castello Branco – que assina a nota como sendo Subsecretário de Promoção e Marketing da Secretaria de Esporte, Turismo e Lazer a seguinte:
NOTA DE ESCLARECIMENTO
Diante da notícia veiculada pela Revista Leitura de Bordo, a Secretaria Adjunta de Turismo esclarece:
Durante os três dias da ABAV, os colaboradores da Secretaria Adjunta de Turismo estiveram presentes no stand de Brasília, fazendo reuniões, recebendo o trade local, distribuindo material gráfico e atendendo o público presente no evento, como mostram as fotos em anexo.
O stand ficava sem material promocional, sim, ao final de cada dia, quando ele era guardado em um local reservado no próprio stand e voltava a ser exibido e distribuído no dia seguinte.
É importante ressaltar que a participação de Brasília na ABAV e na WTM, as duas mais importantes feiras de turismo no Brasil, só é viabilizada pela parceria com o Ministério do Turismo, que oferece piso e montagem de um stand padrão para todos os estados brasileiros. Sem esse apoio, a participação de Brasília se tornaria inviável financeiramente.
E mesmo com as dificuldades financeiras enfrentadas pelo Distrito Federal, a Secretaria Adjunta de Turismo não tem medido esforços para continuar promovendo Brasília. Tanto é que parte da equipe presente na ABAV custeou a ida para São Paulo com recursos próprios.
A Secretaria Adjunta de Turismo vem trabalhando arduamente para que a participação em outras importantes feiras do segmento, fundamental para atração de turistas para nossa cidade, seja mais frequente e não dependa apenas da parceria com o Ministério do Turismo.
Notas do autor do blog:
– O material não foi publicado pela Revista Leitura de Bordo, mas sim pelo www.blogdoalfredo.com.br
– Dizer que o material era retirado ao final do expediente soa risível, visto que as fotos foram feitas em dois dias (28 e 29) e BEM antes do encerramento – em torno das 14h dos dias 28 e 29.
– As fotos não serão publicadas porque não estou conseguindo inseri-las no blog.
– O fato de servidores viajarem com o próprio dinheiro para eventos revela, desnuda e escancara o descaso do GDF com o turismo.